O COLLIE

The International COLLIE Handbook

Origens do Collie
Raça: Collie Pelo Longo
País de origem:  Grã-Bretanha
Nome no país de origem: Collie (Rough)
Utilização: pastoreio

 


O Collie Pêlo Longo é o cão pastor de pêlo longo originário da Escócia. O cão, em sua forma pura, raramente é visto trabalhando no campo, já que a verdadeira seleção é feita por clubes da raça.

ORIGEM

Não se pode considerar que a denominação do animal – “collie” ou “colley” – derive do “colar” de pêlos brancos que a raça normalmente apresenta e que a distingue das demais. O nome provavelmente vem das ovelhas “colley”, termo que em inglês arcaico significa “negro”, a cor predominante desta espécie. O fato de se atribuir ao cão o mesmo nome das ovelhas que ele conduzia pode ter sua origem na aparência destes cães, que antigamente eram predominantemente negros em contraste com algumas partes brancas e, às vezes, avermelhadas.

A raça é considerada muito antiga. Acredita-se que seu aparecimento tenha ocorrido por volta do século V a.C., embora seja uma informação não confirmada. Mesmo assim, é difícil imaginar um exemplar daquela época que mantivesse certa semelhança com os atuais. Basta que se examinem gravuras em que aparecem exemplares de apenas cem anos atrás para se perceber como diferem sensivelmente do Collie atual. Por isso, a tarefa de identificar com precisão os cães; saber se são ancestrais do Border Collie, do Bearded Collie ou simplesmente do Rough Collie, torna-se difícil, já que na época, tais raças não apresentavam a definição morfológica que exibem hoje em dia.

The International COLLIE Handbook" de 1989 - CANIL STEADLYNDa mesma forma, ainda que se considere tratar-se de uma raça muito importante, sobre a qual se dispõe de ampla bibliografia, não há informações exatas sobre a ascendência do Collie – nenhuma referência a seus antecessores nem à idade da variedade. Todas as suposições sobre o desenvolvimento da raça não só carecem de provas que as apoiem como também não apresentam indícios relativamente seguros em relação à sua origem. Contudo, uma coisa é certa: a seleção desenvolvida visou tão somente ao trabalho, instinto e capacidade de pastoreio. Tipo, caso houvesse um, não mereceu qualquer consideração, e foi somente na segunda metade do século passado, quando surgiram as exposições caninas, que este aspecto passou a ser realçado.

Ao mesmo tempo devemos considerar que, com toda certeza, havia um tipo físico dominante no conjunto, que seria aquele mais adequado ao trabalho e, de certa forma, é provável que, juntamente com a seleção para características físicas. Desenvolvida, é claro, de modo bastante fortuito.

Tudo isso se deve, em parte, à falta de critérios para classificação e identificação dos verdadeiros antecessores do Collie. Sua paternidade é atribuída ao Gordon Setter – para enriquecer o tan – ao Terranova ou ao Scottish Terrier; com o Setter Irlandês consistiu numa tentativa mal feita para afirmar o marta ; já com o Borzoi se procurou aumentar o comprimento da cabeça. Também não faltam teorias que lhe imponham algum parentesco distante com o Deerhound. Levando-se em conta as semelhanças estruturais existentes entre a cabeça do Collie e a do Greyhound, não se pode descartar a possibilidade de haver ligações sangüíneas entre eles. Mas, qual será a verdadeira história, a verdadeira origem? Provavelmente nunca saberemos, e histórias, e histórias, … , serão sempre contadas, cada uma com sua versão!

A seleção que deu lugar ao aparecimento dos exemplares hoje admirados nas exposições de todo o mundo só foi iniciada a partir do século XVI, apesar de os resultados efetivos serem bem mais recentes. A principal alteração que se observa entre os exemplares de alguns séculos atrás e o Collie atual é a maior abundância de pêlo, que dá ao Collie de nossos dias uma aparência de extraordinária exuberância. O fato de determinados criadores se empenharem no estudo de seu temperamento com o objetivo de fazê-lo recuperar as aptidões de pastor, aumentando sua coragem e seu equilíbrio, é contribuição que torna ainda mais significativa a sua seleção atual, iniciada na Grã-Bretanha e acompanhada de perto por quase todo o continente europeu, onde durante a década de 80 se encontravam exemplares com as mesmas qualidades do cão nativo.

A história do Collie como cão de exposição é quase tão antiga quanto a história das próprias mostras caninas. A primeira delas foi realizada em Newcastle, em junho de 1859, e atinha-se a Setters e Pointers. A Segunda, organizada em Birmingham neste mesmo ano, especializava-se em cães de caça. Contudo, em dezembro de 1860, realizou-se a única exposição do ano, a de Birmingham, aberta para todas as raças. Então, pela primeira vez, havia uma classe para “pastores”.

A primeira mostra a lançar o nome “Collie” em seus registros foi “A Primeira Grande Exposição Anual para Cães de Caça e Outros”, realizada em Cremorne, Chelsea, em março de 1863. Mas em maio deste mesmo ano, em Islington, a raça voltou a ser classificada como “Pastor Escocês”.

Este então, foi só o início. Hoje em dia fazemos parte da história, deixando nossa contribuição, como uma gota no oceano! E você? Também não vai participar da história e escrever a sua!? E quem quiser, que conte outra!!!

Conheça o padrão da raça Collie